Parentalidade

Com divórcio ou sem ele, para a criança o triângulo pai-mãe-filho permanece. O pai e mãe podem viver separados, podem tornar a casar, afastar-se; a coesão da criança é o seu pai e a sua mãe. O divórcio é um acontecimento social; se os pais o assumirem bem, se o souberem explicar há criança, esta há-de assumi-lo bem ela também. A criança observa os gestos e actos dos adultos. Escuta as suas palavras. Guarda todos esses comportamentos na memória. Imita-os quando está só.” Françoise Dolto, A criança e a família.

Quando escutamos uma criança, ou até mesmo um adolescente, sobre a separação dos pais, a grande inquietação ou tristeza é manifestada se os pais não são próximos em prol da sua educação e das suas necessidades. Muitas vezes não é no divórcio que estão as inquietações, pois por vezes o casal já vive separado na mesma casa, é a disponibilidade individual de cada adulto para o filho/filha.

Para a continuação do bom desenvolvimento físico e psicológico, é necessário que a criança não perca nem o amor nem a confiança da pessoa que a criou. Muitas vezes o cerne da inquietação sentida pelos filhos de pais separados é perceber qual a natureza do vínculo que continua a unir os pais para além da separação. Esta nova relação dos pais é vivida e vivenciada pelos filhos no inicio de forma expectante.
Se for cordial e apaziguadora, a criança tenderá a seguir a sua vida sem grandes sobressaltos internos, pois sabe que pode contar com os dois. Se por outro lado a relação dos pais for de alguma forma conflituosa e agressiva, dependendo da idade poderá comprometer o desenvolvimento e as próximas relações na vida adolescente e adulta.

… “ Ouvi coisas a cair no chão, estavam a discutir, partiram a maior parte das coisas em casa, na sala e no corredor … Eu também caí várias vezes, ao tentar separá-los … a maioria das guerras eu vi quase tudo e metade das guerras eu não percebi quase nada ” … Criança com 10 anos,( pais com processo litigioso).

Se necessita de ajuda, não adie mais.
Algumas dificuldades podem ser mais facilmente ultrapassadas se acompanhadas desde cedo.


últimos artigos

“Uma forma de violência no casal”

“Estamos aqui porque pensamos já ter esgotado todas as nossas possibilidades de diálogo. Não conseguimos falar um com o outro sem ser a discutir, alias […]

ler artigo

“Primeiro está a miúda e depois estamos nós”

“O divórcio custou-lhe muito. “É sempre complicado”, diz José. Com filhos, pior ainda. “É uma dor enorme.” A menina tinha cinco anos. Ficou a morar […]

ler artigo

Transmissão psíquica transgeracional e construção de subjetividade: relato de uma psicoterapia psicanalítica vincular1

“O presente artigo tem como objetivo refletir acerca do processo de transmissão psíquica entre gerações, especificamente de uma modalidade – a transmissão psíquica transgeracional – […]

ler artigo